Professores e bibliotecários também
sonham com os clubes de leitura

17/08/2018

Seis em cada dez professores e bibliotecários brasileiros gostariam de poder participar de algum clube de leitura em que pudessem falar sobre os livros que acabaram de ler – e outros três afirmam se tivessem tempo e oportunidade talvez também participassem. Esse é um dos resultados da pesquisa Clubes de Leitura Entre Professores e Bibliotecários no Brasil, realizada pela Fundação Observatório do Livro e da Leitura.
O estudo mostra que mais de dois terços dos professores e bibliotecários, que são os principais formadores de novos leitores, nunca estiveram, pessoalmente, em algum clube de leitura. No entanto, 98% deles adorariam poder conversar sobre suas próprias leituras com outras pessoas. Contudo, apenas 34,6% deles afirmam que raramente têm oportunidade de fazer isso.
A pesquisa, que ouviu 355 profissionais ligados à área da leitura em todos os estados (69,9% são mulheres, com presença mais acentuada entre 30 e 60 anos de idade), constatou, ainda, que 48,9% dos entrevistados leem entre uma e duas horas por dia, e que 34,2% permanecem com os livros abertos nas mãos entre duas e três horas diárias. Os romances são os preferidos, seguidos pelos Contos e os títulos relacionados às suas atividades profissionais. Gêneros como Crônica, Biografia e Poesia aparecem em seguida.
As livrarias físicas continuam a ser a principal fonte de abastecimento para professores e bibliotecários: 84,8% compram seus livros por esse canal. Mas pelo menos sete em cada deles já fazem suas compras de livros pela internet. Também chama a atenção a quantidade de profissionais da área (47,6%) que baixam, gratuitamente, livros digitais pela web, em formatos que vão do ePub ao tradicional PDF, sejam obras em domínio público ou não.
“Os resultados indicam que profissionais que atuam com a questão da leitura no Brasil, e são poderosos influenciadores, também têm suas próprias necessidades enquanto leitores que também são”, observa o presidente do Observatório, Galeno Amorim, que coordenou o estudo. Outro traço de comportamento que também chamou sua atenção é a maior presença desses profissionais, das várias gerações, com as mídias sociais e que o meio digital, ao contrário do que os pessimistas esperavam, tem complementado o físico e não meramente o substituído.


Jornada da Biblioterapia terá
como tema o Setembro Amarelo

03-08-2018

A edição da Jornada da Biblioterapia que acontece na primeira semana de agosto vai trazer de volta um tema já abordado em edição anterior a fim de ajudar escolas e bibliotecas se prepararem para a campanha Setembro Amarelo, mobilização nacional para prevenção do suicídio, que já é a segunda causa de mortes entre adolescentes no Brasil.
"Foi um pedido feito por grande número de educadores de diferentes cidades e estados que não conseguiram participar da edição anterior", explicou o presidente da Fundação Observatório do Livro e da Leitura, Galeno Amorim, curador da jornada. A 3ª Jornada da Biblioterapia tem o apoio da Associação Brasileira de Municípios (ABM) e da revista Biblioo.
Segundo ele, o evento online terá algumas novidades em relação à última edição da Jornada da Biblioterapia, mas as videoaulas, como aquelas com as falas das psicoterapeutas paulistas Karina Okajima e Karen Scavacini, autoras de obras sobre o assunto e bastante requisitadas para proferir palestras em escolas - serão reapresentadas, inclusive com alguns trechos que não foram ao ar da outra vez.
"As pessoas estão pedindo para ver ou rever até mesmo para poderem pensar e organizar ações preventivas para o Setembro Amarelo em seus locais de trabalho, em que que atuam com jovens e adolescentes", afirmou Galeno.
A campanha do Setembro Amarelo foi criada para mobilizar as pessoas para uma questão que, por muito tempo, ficou escondida e, só recentemente, a Organização Mundial da Saúde bateu o pé e decidiu que precisava jogar mais luz sobre ela.
As inscrições para quem quiser se inscrever na Jornada da Biblioterapia, que começa na segunda-feira, 05/08, e vai até 10 de agosto, são gratuitas e podem ser feitas pelo linkwww.biblioterapia.org.br.




Bicliotecários podem atuar como
biblioterapeuta e viver de "receitar" livros

13-04-2017

Já imaginou tornar uma das coisas que você mais gosta de fazer na vida – que é ler, indicar e falar sobre livros com outras pessoas – no seu principal ganha-pão ou, ao menos, numa importante fonte de renda? Ou, então, como forma de aprimorar seu trabalho atual e, assim, além seguir formando leitores, ainda ajudar outras pessoas a enfrentarem problemas pessoais e mesmo doenças da vida moderna?!
Pois a biblioterapia – Ciência criada na primeira metade do século passado e largamente utilizada nos Estados Unidos e em países da Europa – ganha cada vez mais adeptos no Brasil. Em fins de maio, nada menos do que 259 pessoas – principalmente bibliotecários, mas também psicólogos, psiquiatras, psicanalistas, assistentes sociais, professores, livreiros e estudantes de Letras – deram um tempo em suas vidas para participar da Jornada da Biblioterapia, realizado totalmente online, para tentar compreender um pouco melhor o assunto e, quem sabe, ter ali novas possibilidades profissionais.
“Eu simplesmente adorei”, afirma a bibliotecária paulista Maria Cristina Ferreira, de São Bernardo do Campo, no ABC, que saiu convencida que os profissionais da área podem sim abrir para si novas oportunidades de trabalho. “A Biblioterapia pode, realmente, ajudar muito as pessoas, seja quando praticada em grupos ou em sessões individuais”, garante a bibliotecária catarinense Eva Seitz, de Florianópolis, que há duas décadas pratica Biblioterapia com doentes de um hospital público de Santa Catarina e até já defendeu tese de Mestrado com uma pesquisa sobre a experiência.
No evento transmitido pela internet – que teve a participação da biblioterapeuta inglesa Ella Berthoud, uma das autores do livro Farmácia Literária (lançado no Brasil pela editora Verus) e da biblioterapeuta francesa radicada em Portugal Sandra Barão Nobre -, discutiu-se muito sobre a Biblioterapia Clássica e a Clínica.
Essa primeira parte da Jornada, organizada pela Fundação Observatório do Livro e da Leitura, é gratuita e ficará no ar, para livre acesso, até quinta-feira (08/06), às 19h. Pode ser acessada pelo site www.biblioterapia.org.br. Nesse mesmo dia, às 20h, terá início uma segunda etapa, aí sim um curso pago para quem quiser se aprofundar mais no assunto e se preparar para passar a atuar profissionalmente.
Além da Biblioterapia Clinica – com atendimento em consultório e que também pode ser aplicada em parceria com profissionais da área da Saúde – o biblioterapeuta pode atuar, profissionalmente, em hospitais, igrejas, escolas, presídios, empresas, instituições e, naturalmente, bibliotecas, sejam elas públicas, comunitárias, escolares, universitárias, de repartições ou de empresas.
“Esta é uma possibilidade concreta de transformar a vida pessoal e profissional, passando a fazer uma das coisas que mais gosta na vida, que é ler e falar sobre livros, e, ainda por cima, ser remunerado por isso”, diz o presidente da Fundação Observatório do Livro e da Leitura, Galeno Amorim. Ex-presidente da Biblioteca Nacional, o próprio Galeno fez Biblioterapia, como paciente, na década de 1990, quando ele e um grupo de profissionais liberais – médicos, jornalistas, publicitários, enfermeiros e até um promotor público – faziam terapia em grupo a partir da leitura de livros.
Depois disso, ele criaria e desenvolveria vários projetos de Biblioterapia com jovens e adolescentes em situação de risco e com idosos. Atualmente, mantém um projeto com 20 grupos de presos para quem “receita” livros de literatura e duas sessões em grupo por mês. “Funciona, mesmo”, garante o ex-presidiário e estudante de Direito da Universidade de Ribeirão Preto, Carlos Andrade, condenado por assalto à mão armada e tráfico, que chegava a ler, no cárcere, a cada mês, 24 novos livros. “Eu sou prova viva disso, mas não sou só eu...”

Conaler 2017 discute as 3 grandes 
revoluções causadas pelos livros 

24/10/2017

O 2º Conaler (Congresso Nacional de Leitura) vai discutir, na edição deste 2017, os impactos causados na sociedade pelas três grandes revoluções da história da civilização: a descoberta da escrita, a invenção da prensa e, mais recentemente, a entrada na era digital. O evento, que é inteiramente online e reúne três dezenas de escritores e especialistas em leitura, começa no domingo, 29 de outubro, Dia Nacional do Livro, e segue até 3 de novembro.
Entre os conferencistas e palestrantes estão convidados com os estrangeiros António Nóvoa, ex-reitor da Universidade de Lisboa, e José Pacheco, criador da Escola da Ponte. Entre os brasileiros, figuram nomes como Nélida Piñon, Zuenir Ventura, Lira Neto, Pedro Bandeira, Cesar Nunes e Luís Fernando Veríssimo, entre outros.
Na primeira edição, em 2016, o congresso teve 5.668 participantes de todo o país, que acompanharam 17 horas, 3 minutos e 14 segundos de programação, ao vivo e com acesso grátis. A iniciativa é da Fundação Observatório do Livro e da Leitura, com curadoria de Galeno Amorim, ex-presidente da Biblioteca Nacional, e conta com o patrocínio das editoras Positivo e FTD e apoio do Itaú Cultural e do Centro Universitário Moura Lacerda, entre outros. As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas no site www.conaler.org.br.



Observatório lança campanha sobre
livros que mais impactaram leitores

20-01-2017

Cem Anos de Solidão, Moby Dick, Dom Casmurro ou O Grande Gatsby? Quixote aparece no topo dos livros que marcaram leitores famosos

Os livros que impactaram a vida de leitores famosos, que vão desde o ex-jogador Sócrates e o ator Tony Ramos até o ex-presidente americano Barack Obama, estrelam a campanha #HistoriasDeGenteQueLe, criada pela Fundação Observatório do Livro e da Leitura para chamar a atenção pela leitura. Em pequenos posts que serão publicados, a partir desta sexta-feira, em mídias sociais como Facebook, Twitter e Linkedin, a ação vai revelar as preferências literárias de artistas, atletas, escritores, jornalistas e políticos, entre outros, e sugerir que os internautas revelem as suas.

Foram escolhidos 50 personagens de várias áreas, e não só do Brasil, e adeptos dos mais variados gêneros literários. Enquanto para o português José Saramago o livro Mensagem, do seu conterrâneo Fernando Pessoa, foi a leitura mais marcante de sua existência, a celebridade americana Oprah Winfrey foi tocada pela leitura de O Segredo, de Rhonda Byrne. Já Obama aponta Moby Dick, de Herman Melville, como sendo o livro mais importante da sua vida, até agora.

Quanto aos brasileiros, o jogador Sócrates, por exemplo, nunca escondeu sua admiração por Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez, o preferido de muitos, enquanto o jornalista Edney Silvestre se derrete por O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerad. Mas, para diferentes tipos de personalidades elencadas, como o ator Tony Ramos, o campeão foi mesmo o clássico Dom Quixote, escrito por Miguel de Cervantes. Entre os outros leitores famosos, estão o técnico Luiz Felipe Scolari, a atriz Taís Araújo e o navegador Amyr Klink.

A campanha faz parte da estratégia de divulgação do livro Histórias de Gente Que Lê, do jornalista Galeno Amorim, ex-presidente da Biblioteca Nacional. Ele conta, numa coletânea de crônicas, relatos de pessoas de várias regiões do país que tiveram suas vidas transformadas por meio dos livros e da leitura. O pré-lançamento virtual será no 31 de janeiro e o livro chegará, por ora, apenas no formato eBook, nas livrarias digitais no dia 8 de fevereiro.

Galeno Amorim lança
18º livro só em eBook

01-02-2017

O jornalista e escritor Galeno Amorim está lançando seu 18º livro, Histórias de Gente Que Lê, uma coletânea de pequenos textos com relatos emocionantes de pessoas que tiveram suas vidas transformadas pelos livros e pela leitura. A novidade é que, pela primeira vez, a obra sairá, inicialmente, apenas no formato eBook, fazendo o caminho inverso de outros livros dele, publicados originalmente como impresso para só depois chegarem também como livro digital.

O livro, com 179 páginas, lançado pelo selo Observatório do Livro e da Leitura, traz 37 histórias colhidas durante suas viagens a diferentes regiões do País e algumas em Ribeirão Preto, onde ele foi secretário da Cultura e voltou a residir, após anos morando entre Brasília e Rio de Janeiro para ocupar funções públicas, como a presidência da Biblioteca Nacional e o comando do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL).

“São relatos comoventes, às vezes impressionantes, a maioria, de pessoas muito simples (à época dos fatos iniciais, pelo menos), com ações igualmente modestas, e que ganharão de imediato a admiração dos leitores, assim como têm o reconhecimento de suas comunidades”, afirma, no prefácio, a Doutora em Literatura Maria Antonieta Cunha, ex-diretora do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Ministério da Cultura. “De todas as pessoas que conhecem Galeno Amorim, acredito que nenhuma deixaria de identificar sua paixão maior: a causa da leitura, que, das mais variadas maneiras e pelos mais diferentes pontos do país, ele procura obstinadamente defender para todos os brasileiros!”, acrescenta.

Outra novidade é que, ao contrário dos outros livros, desta vez Galeno, para poder reunir os amigos e leitores que estão espalhados pelo país, decidiu fazer um lançamento pela internet. Mas com direito a sarau, presença virtual de pessoas interessantes, venda de livros e até sessão de autógrafos (no caso, digitais), igualzinho acontece nos lançamentos presenciais.

O livro está à vendas nas principais livrarias online por R$ 31,50. Maiores informações em

Jornada dos 100 Dias na Educação
reúne prefeitos e secretários na web

20/03/2017

Prefeitos e dirigentes municipais de Educação participam, de 10 a 14 de abril, da “Jornada dos 100 Dias na Educação” para avaliar e debater os rumos da gestão na área, que representa um quarto dos orçamentos municipais. A novidade é que, pela primeira vez, o encontro será totalmente pela internet, com as intervenções dos especialistas e as interações dos participantes feitas exclusivamente de forma virtual.

A iniciativa é da Associação Brasileira de Município (ABM) e da Fundação Observatório do Livro e da Leitura e coincide, propositadamente, com a data em que os prefeitos vão completar seus primeiros 100 dias de mandato. Com uma renovação nas prefeituras, nas últimas eleições, acima de 80%, o presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima, alerta que as prefeituras devem adotar medidas imediatas para evitar problemas sérios lá na frente.

Os prefeitos e dirigentes municipais de Educação também serão orientados sobre como, em tempos de crise, obter recursos de projetos e programas do Ministério da Educação. Na abertura da Jornada, a coordenadora de Educação da Unesco, Maria Rebeca Otero, falará aos prefeitos e secretário por que a Educação começa a ter um papel cada vez mais preponderante nas administrações e por que o sucesso na área pode contaminar positivamente outras áreas do governo.

Para o presidente da ABM, Eduardo Tadeu Pereira, mesmo prefeitos que já exerceram a função no passado precisam estar mais atentos em 2017, por causa das novas obrigações trazidas pelo mais recente Plano Nacional de Educação. “Esse formato de evento virtual, já experimentado com sucesso no 1º Congresso Nacional de Leitura 100% online, o Conaler, representa economia de custos e de tempo nas agendas”, afirma o presidente do Observatório, Galeno Amorim. Outra vantagem, diz, é que os assessores, que são as pessoas que operam, na prática, também conseguem participar, sem que isso represente qualquer custo.

A maior parte dos palestrantes são atuais e antigos secretários municipais de Educação, vinculados à Undime, que tiveram gestões bem-sucedidas em subáreas, entre outras, como Administração, Alimentação, Transporte, Democracia e Projeto Pedagógico. A Undime também disponibiliza um portal (www.convivaeducacao.org.br ) que permite que as prefeituras tenham na área uma gestão totalmente digital.

Unesco diz que novos prefeitos
devem priorizar educação

03-04-2017

Os novos prefeitos e dirigentes municipais de Educação que vão completar, em abril, seus primeiros 100 dias de governo, devem se preocupar, muito mais do que seus antecessores ou com que eles próprios fizeram em mandatos anteriores, com os investimentos na Educação Básica. O recado é da coordenadora de Educação da Unesco, Maria Rebeca Otero, que vai abrir, no dia 10 de abril, a Jornada dos 100 Dias na Educação, que reunirá prefeitos e dirigentes de Educação dos municípios brasileiros.

Além de apresentar indicadores recentes que mostram como o Brasil e as cidades brasileiras estão caminhando para cumprir acordos e compromissos internacionais como os objetivos do milênio, Rebeca pretende mostrar aos prefeitos, a partir de casos concretos, como gestões bem sucedidas na área da Educação – que consome um quarto dos orçamentos municipais – conseguem contaminar positivamente outras áreas da administração.

A Jornada dos 100 Dias na Educação é uma iniciativa da Associação Brasileira de Municípios (ABM) e da Fundação Observatório do Livro e da Leitura e terá 4 dias de duração. A novidade é que, pela primeira vez, será realizada exclusivamente pela internet, com palestras, conferências e debates online.

Segundo levantamento da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), houve uma renovação de mais de 80% nas administrações nas últimas eleições municipais. O presidente da Undime, Alessio Costa Lima, alerta que as prefeituras devem adotar várias medidas na área já nos primeiros meses da gestão, a fim de evitar transtornos e problemas sérios mais adiante.

Os prefeitos e dirigentes municipais de Educação também vão descobrir como, em tempos de crise, obter recursos de projetos e programas do Ministério da Educação. Para o presidente da ABM, Eduardo Tadeu Pereira, mesmo prefeitos que já exerceram a função no passado precisam estar mais atentos, em 2017, por causa das novas obrigações trazidas pelo Plano Nacional de Educação.

O formato de evento virtual foi testado com sucesso pelo Observatório durante Conaler, 1º Congresso Nacional de Leitura 100% online, que teve 5.668 participantes. Segundo seu presidente, Galeno Amorim, esse tipo de evento online abre oportunidades para mais gestores participarem e também representa economia de custos e de tempo nas agendas dos gestores.

Boa parte dos palestrantes são atuais e antigos secretários municipais de Educação que tiveram gestões bem-sucedidas em áreas como Administração, Alimentação, Transporte, Democracia e Projeto Pedagógico e agora vão compartilhar suas experiências com os novos gestores. A Undime disponibiliza, gratuitamente, um portal (www.convivaeducacao.org.br ) para as prefeituras que quiserem fazer online a gestão das políticas de Educação sem precisar investir em plataforma própria.

Jornada quer prefeitos
mais pertos da Educação

10/04/2017

A Jornada dos 100 Dias na Educação começa nesta segunda-feira com dois grandes desafios. O principal deles é trazer os prefeitos que tomaram posse há pouco mais de três meses para mais perto da área e torna-la uma das principais vitrines de suas gestões, que vão até 2020. A segunda é provar que, em tempos de dificuldades financeiras e falta de tempo nas agendas dos gestores, a internet pode ser, cada vez, mais uma grande aliada.

Afinal, o evento, organizado pela Associação Brasileira de Municípios (ABM) e Fundação Observatório do Livro e da Leitura, será realizado, pela primeira vez, totalmente pela web. As perguntas e os debates, com a participação dos palestrantes convidados, ocorrerá na própria página da transmissão, que vai até quinta-feira, com início sempre às 16 horas e cerca de uma hora diária de programação.

Para convencer os prefeitos sobre o papel mais relevante da Educação, na atualidade, nas gestões municipais, os organizadores escalaram figuras de destaque para explorar o tema: a coordenadora de Educação da Unesco, Rebeca Otero, o professor da Unicamp e educador Cesar Nunes, o presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) na Região Sul, Andre Lemes da Silva, e o próprio presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM), Eduardo Tadeu Pereira.

Ao todo serão 15 palestras, proferidas por especialistas e dirigentes de Educação com experiências bem sucedidas em temas como Democracia, Projeto Pedagógico, Alimentação, Administração, Pessoal, Transporte e Orçamento, entre outros. Um dos destaques da programação será como viabilizar recursos fora dos orçamentos para enfrentar a crise que afeta a maioria das prefeituras do país.

Com renovação nas prefeituras, em 2016, superior a 80%, o presidente da Undime, Alessio Costa Lima, pretende alertar os novos gestores sobre medidas que devem ser tomadas no início dos mandatos para evitar problemas sérios lá na frente. “Isso fará a diferença entre o sucesso ou o fracasso da gestão”, diz. Para apoiar os dirigentes, a Undime disponibilizou o portal Conviva Educação (www.convivaeducacao.org.br ), que permite que as prefeituras façam a gestão online da sua política educacional sem qualquer custo.

1º DIA - SEGUNDA-FEIRA (10/04/2017) - Módulo 1 - 16 h
Abertura
Galeno Amorim, Presidente da Fundação Observatório do Livro e da Leitura
Eduardo Tadeu Pereira, Presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM)

Porque prefeitos e prefeitas só têm a ganhar apostando na Educação
Rebeca Otero, Coordenadora de Educação da Unesco

Como a educação vai impactar positivamente a gestão
André Lemes da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Rio Grande/RS e
Presidente da Undime/RS e Região Sul

Porque a democracia qualifica a Educação
Adenilde Stein Silva, Dirigente Municipal de Educação de Domingos Martins/ES, Presidente da Undime ES e Secretaria de Articulação da Undime


2º DIA - TERÇA-FEIRA (11/04/2017) – Módulo 2 - 16h

Trabalhar a Educação é cuidar do coração da cidade!
Cesar Nunes, educador e professor da Unicamp

O que muda com o Plano Nacional de Educação
Maria Edineide de Almeida Batista, Secretária de Finanças da Undime

Professores, pessoal e políticas de RH
Iolanda Barbosa da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Campina Grande/PB e Presidente da Undime/PB

Programas e projetos do MEC para os municípios
Alessio Costa Lima, Presidente da Undime e Dirigente Municipal de Educação de Alto Santo/CE


3º DIA - QUARTA-FEIRA (12/04/2017) – Módulo 3 - 16h

O projeto pedagógico e a política de educação no seu município
Maria Edineide de Almeida Batista, Secretária de Finanças da Undime

A administração da Educação
André Lemes da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Rio Grande/RS e Presidente da Undime/RS e Região Sul

A estrutura da rede municipal de ensino
Iolanda Barbosa da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Campina Grande/PB e Presidente da Undime/PB

Alimentação na Rede de Ensino Municipal
Adenilde Stein Silva, Dirigente Municipal de Educação de Domingos Martins/ES,
Presidente da Undime ES e Secretária de Articulação da Undime

O Transporte e o Direito à Educação
Manuelina Martins, Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/MS, Vice-presidente da Undime e Presidente da Undime/MS


4º DIA - QUINTA-FEIRA (13/04/2017) – Módulo 4 - 16h

Porque uma gestão bem sucedida na Educação contagia toda a Administração
Eduardo Tadeu Pereira, Presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM)

Orçamento: como financiar as políticas de educação no seu município
Manuelina Martins, Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/MS, Vice-presidente da Undime e Presidente da Undime/MS

Onde buscar recursos extraorçamentários
Alessio Costa Lima, Presidente da Undime e Dirigente Municipal de Educação de Alto Santo/CE

Jornada dos 100 Dias quer
tocar coração dos prefeitos

11-04-2017
 
A Jornada dos 100 Dias na Educação terá, em seu segundo dia, uma conversa direta e franca para falar diretamente ao coração dos novos prefeitos. O professor da Unicamp Cesar Nunes, educador e autor de vários livros sobre o tema, foi escalado para fazer um apelo para que os gestores, cuja renovação foi de mais de 80% nas últimas eleições, dêem mais atenção à área. O tema da palestra será “Trabalhar a Educação é Mexer Com o Coração da Cidade”.

Na mesma linha já abordada no primeiro dia do evento, que é realizado exclusivamente pela internet, Cesar Nunes dirá, a partir de exemplos práticos, porque priorizar a educação pode ser uma excelente opção estratégica e política para as administrações.

Estão previstas, ainda, as palestras “O Que Muda com o Plano Nacional de Educação”, com Maria Edineide de Almeida Batista, Secretária de Finanças da Undime; “Professores, Pessoal e Políticas de RH”, com Iolanda Barbosa da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Campina Grande (PB) e Presidente da Undime no Estado; e “Programas e Projetos do MEC para os Municípios”, com o presidente da Undime, Alessio Costa Lima, Dirigente Municipal de Educação de Alto Santo (CE).

A Jornada dos 100 Dias na Educação é organizada pela Associação Brasileira de Municípios (ABM) e Fundação Observatório do Livro e da Leitura. As perguntas e os debates podem ser feitos na própria página da transmissão do evento, que vai até quinta-feira, com início sempre às 16 horas e cerca de hora diária de programação.

Ao todo serão 15 palestras, proferidas por especialistas e dirigentes de Educação com experiências bem sucedidas em temas como Democracia, Projeto Pedagógico, Alimentação, Administração, Pessoal, Transporte e Orçamento, entre outros. Um dos destaques da programação será como viabilizar recursos fora dos orçamentos para enfrentar a crise que afeta a maioria das prefeituras do país.

Trabalhar a Educação é cuidar do coração da cidade!
Cesar Nunes, educador e professor da Unicamp

O que muda com o Plano Nacional de Educação
Maria Edineide de Almeida Batista, Secretária de Finanças da Undime

Professores, pessoal e políticas de RH
Iolanda Barbosa da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Campina Grande/PB e Presidente da Undime/PB

Programas e projetos do MEC para os municípios
Alessio Costa Lima, Presidente da Undime e Dirigente Municipal de Educação de Alto Santo/CE

Primeiros 100 dias podem definir
fracasso na Educação, diz Undime

12-04-2017

O presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima, alertou prefeitos e secretários municipais que deixar de tomar certas decisões nos primeiros 100 dias de gestão podem determinar, previamente, o fracasso da gestão na área. Num recado direto aos colegas, Aléssio, dirigente em Alto Santo (CE), deu como exemplos deixar de prestar contas, omitir informações ao Ministério da Educação, não fazer licitações em áreas chaves ou desconhecer convênios abertos ou em andamento como algo que pode inviabilizar as políticas educacionais.

A advertência foi feita durante a Jornada dos 100 Dias na Educação, organizada pela Associação Brasileira de Municípios (ABM) e Fundação Observatório do Livro e da Leitura, que acontece exclusivamente pela internet. O evento começou na segunda-feira e vai até amanhã (quinta-feira). Ontem (terça-feira), o professor da Unicamp, Cesar Nunes, conclamou os prefeitos a priorizarem a educação em suas gestões porque, segundo ele, bons resultados na área podem contagiar outras áreas do governo.

Hoje (quarta), terceiro dia da Jornada, as palestras abordarão temas mais técnicos, com dicas para ensinar aos novos secretários (segundo a Undime, a renovação, nas últimas eleições municipais, ultrapassou 80%) a fugir de pegadinhas administrativa e das confusões que chegam paralisar boa parte das secretarias em início de governo por causa da inexperiência das novas equipes.

Temas como Projeto Pedagógico, Alimentação, Transporte, Administração e Estrutura serão abordados por dirigentes municipais de Educação que vêm tendo êxitos nessas áreas. As inscrições para a Jornada dos 100 Dias na Educação podem ser feitas, gratuitamente, em www.observatoriodolivro.org.br/jornada .

3º DIA - QUARTA-FEIRA (12/04/2017) – Das 16h às 17h

O projeto pedagógico e a política de educação no seu município
Maria Edineide de Almeida Batista, Secretária de Finanças da Undime

A administração da Educação
André Lemes da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Rio Grande/RS e Presidente da Undime/RS e Região Sul

A estrutura da rede municipal de ensino
Iolanda Barbosa da Silva, Dirigente Municipal de Educação de Campina Grande/PB e Presidente da Undime/PB

Alimentação na Rede de Ensino Municipal
Adenilde Stein Silva, Dirigente Municipal de Educação de Domingos Martins/ES,
Presidente da Undime ES e Secretária de Articulação da Undime

O Transporte e o Direito à Educação
Manuelina Martins, Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/MS e Vice-presidente da Undime

Jornada mostra como cidades
podem elevar recursos da Educação

13-04-2017

Além dos orçamentos municipais - que, por lei, destinam 25% de seu total para a área - a educação pública nas cidades também pode contar com recursos extras propondo projetos diretamente ao Ministério da Educação, aos governos estaduais e até mesmo a alguns organismos internacionais. As formas de financiamento das políticas municipais de educação darão o tom no último dia da Jornada dos 100 Dias na Educação, que termina nesta quinta-feira.

Para falar sobre o assunto, foram escalados o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Alessio Costa Lima, dirigente de Educação de Alto Santo, no Ceará (Onde buscar recursos extraordinários); o presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM), Eduardo Tadeu Pereira (Porque uma gestão bem sucedida na Educação contagia toda a Administração) e Manuelina Martins, vice-presidente da Undime e dirigente municipal de Costa Rica, no Mato Grosso do Sul (Orçamento: Como financiar as políticas de educação do seu município).

A iniciativa é da Associação Brasileira de Municípios (ABM) e da Fundação Observatório do Livro e da Leitura, que resolveram fazer o evento, pela primeira vez, exclusivamente pela internet. O professor da Unicamp Cesar Nunes e a coordenadora de Educação da Unesco no Brasil, Rebeca Otero, foram alguns dos destaques da programação até agora.

As inscrições para a Jornada dos 100 Dias na Educação ainda podem ser feitas, gratuitamente, em www.observatoriodolivro.org.br/jornada .

4º DIA - QUINTA-FEIRA (13/04/2017) - 16h

Porque uma gestão bem sucedida na Educação contagia toda a Administração
Eduardo Tadeu Pereira, Presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM)

Orçamento: como financiar as políticas de educação no seu município
Manuelina Martins, Dirigente Municipal de Educação de Costa Rica/MS, Vice-presidente da Undime e Presidente da Undime/MS

Onde buscar recursos extraorçamentários
Alessio Costa Lima, Presidente da Undime e Dirigente Municipal de Educação de Alto Santo/CE

Clubes de leitura em presídios
celebram Dia Mundial do Livro

17/04/2017

A Funap (Fundação Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel), vinculada à Secretaria da Administração Penitenciária do Estado, e o Instituto Palavra Mágica realizam, nesta terça-feira (18/04), o Seminário "Clubes de Leitura no Sistema Prisional: Experiências em Ribeirão Preto e Região". O encontro reunirá especialistas em políticas públicas, gestores e mediadores de leitura que atuam no projeto Clubes de Leitura Palavra Mágica em Presídios, que acontece em algumas regiões do Estado.

A atividade faz parte das comemorações do Dia Mundial do Livro e dos Direitos do Autor, celebrado no dia 23 de abril, em homenagem a William Shakespeare e Miguel de Cervantes, dois dos maiores nomes da literatura mundial de todos os tempos. Já o dia escolhido para o seminário, 18 de abril, é a data de nascimento do escritor Monteiro Lobato, quando se comemora o Dia Nacional do Livro Infantil e Juvenil.

Atualmente, estão em funcionamento na região 18 clubes de leitura, espalhados por penitenciárias em Ribeirão Preto, Franca, Serra Azul, Jardinópolis, Araraquara, Taiúva e Pontal, com um total de 270 participantes, entre homens e mulheres. A parceria entre o Instituto Palavra Mágica e a Funap existe desde 2009 e, segundo o gerente do órgão na região, Silvio Luis do Prado, já se tornou uma tradição organizar o evento nesta época do ano para, ao mesmo tempo em que se comemora o Dia Mundial do Livro, avaliar o funcionamento dos clubes e discutir novas estratégias de atuação.

Os clubes de leitura integram o Programa de Educação para o Trabalho e Cidadania da Funap, denominado "De olho no futuro". O evento tem apoio do Grupo de Ações Regionais de Trabalho e Educação (GRATE), da Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região Noroeste do Estado e da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto, que cedeu seu auditório para a realização.

PROGRAMAÇÃO

Seminário "Clubes de Leitura no Sistema Prisional: Experiências em Ribeirão Preto e Região"

Abertura
José Antonio Leme, superintendente da FUNAP
Galeno Amorim, presidente da Fundação Observatório do Livro e da Leitura/Instituto Palavra Mágica 

Intervalo

Relato das experiências de uma unidade prisional e depoimento dos monitores

Apresentação do grupo Leia Mulheres, de Ribeirão Preto

Exibição do vídeo com a reportagem da GloboNews sobre clube de leitura no sistema prisional 

Vídeo-depoimento de Carlos Andrade, ex-monitor da Funap e mediador de clubes de leitura em presídios 

Exposição de algumas fotos de Clube de Leitura e de livros utilizados no projeto do acervo Palavra Mágica

Local: Fundação do Livro e Leitura
Endereço: Rua Professor Mariano Siqueira, 81, Jd. América, Ribeirão Preto (SP)
40 vagas - Haverá certificação para os participantes